Blog em Português http://helton.de// ich@helton.de (Helton Eduardo Ritter) Configurar GPS GT02A usando Chip da TIM http://helton.de/Blog/article/pt/314 O aparelho é esse da foto abaixo (manual completo aqui). Comprei no Aliexpress por USD 11.98. Funciona belezinha. E uma coisa legal que não diz em lugar nenhum, é que da para alimentar ele pela entrada USB que tem do lado, com um power bank por exemplo.


Os manuais, esquemas mostram essa entrada USB como uma porta de manutenção, update de firmware etc... e o cabinho sim, entrada de energia de 9-36v (o que compreende ligar direto na bateria de motos e caros). Na foto abaixo eu acabei de ligar ele, foto cerca de 30 segundos depois de ligar, energia está ok (ícone da bateria vermelho piscando), sinal de celular ok, e GPS ele estava procurando ainda.




O meu power bank é bem fraquinho (apenas 1150mAh) e velho (comprei em 2012), ele é 1/3 do que é bateria do meu celular. Veja logo abaixo quanto de autonomia isso lhe daria.




Porque acho legal usar num power bank: Porque aí vc não precisa mexer em fiação nenhuma no seu carro/moto e não vai perder a garantia. É só fixar o GPS num lugar lá escondido, programaticamente trocar/recarregar o power bank e pronto. Segue abaixo os tempos usando o setup básico, sem enviar em tempo real a posição para site nenhum.


Capacidade
Tempo de operação
Observação
1150mAh

3000mAh


5000mAh


10000mAh



1 - Setup básico no Brasil, usando operadora TIM, chip pré pago.

A senha padrão deste aparelho é 666666. Todos os comandos são enviados via SMS de um outro celular para o número do chip que está dentro do aparelho de GPS, portanto, o chip que está no GPS tem que estar ativo, funcionando, com saldo. Compartilhe o número deste contato com cuidado! Quem o tiver, se souber a senha do seu GPS (que provavelmente vai ser a padrão) vai poder te rastrear.

factory,666666#

Limpa todas as configurações anteriormente feitas, exceto a senha. Se a senha era outra, você primeiro vai ter que recuperar a senha, e depois dar um factory com a senha correta.

gmt,666666,w,3#

Isso vai configurar o fuso para GMT -3, horário de Brasília.


Pronto! Agora você já pode usar seu rastreador por SMS! Vamos ver abaixo alguns comandos e o que eles retornam.
** Nos exemplos abaixo, mudei o EMEI e as cordenadas onde o GPS aponta por motivos óbvios.

Status,666666#

O retorno vai ser algo como o bloco abaixo, você poderá ver se está tudo ok com seu GPS, especialmente se o sinal de GPS está forte. Bateria não importa, não é real essa informação.
IMEI:355227045123456
Battery:100%
GPRS:Link Up
GSM Signal:Strong
GPS:FIXED
GPS Signal:STRONG
External Voltage:4.31



Where,666666#
Vai te dar latitude, longitude e a hora que está configurada no seu aparelho. Depois de configurar o fuso, você pode testar dando esse comando.

IMEI:355227045123456
Lat:S29.690783
Lon:W51.129213 Speed:1.0 KM/H
Time:18-04-17 21:19:04



Url,666666#

Vai te dar data e hora, e uma URL pronta, clicando já abre o app do google maps.
<DateTime:18-04-17 21:19:04>
 http://maps.google.com/maps?q=S29.690783,W51.129213




2 - Setup envio de dados em tempo real para um site


Para isso você vai precisar fazer todos os passos do Setup 1, e o seu número vai precisar de um plano de internet, pois a cada x segundos, o GPS vai conectar contra um determinado site e enviar a sua posição via rede GPRS. Vai precisar fazer uma conta em algum site também, talvez não seja gratuito.


apn,666666,timbrasil.br,tim,tim#

Define a APN para fazer comunicação de dados. Sem isso, a única comunicação com seu GPS é vis SMS.

timer,666666,,50#
Isso vai definir que a cada 50 segundos o seu GPS vai enviar para o site a localização. O tempo padrão é a cada 10 segundos. Quanto menor o intervalo de tempo, mais dados da sua franquia ele vai gastar. Tempos podem ser entre 5 segundos e 1800 (30 minutos). Sempre informe em segundos.

** Vou continuar isso outra hora, testei alguns sites, mas ainda não deu certo.

]]>
Tue, 17 Apr 2018 23:49:00 +0000
Chapada das mesas - região de Carolina no Maranhão http://helton.de/Blog/article/pt/311 Fiz uma viagem de Porto Alegre para Belém porque a passagem aérea estava com promoção com valor que cobria a diferença de ida e volta de ônibus até Imperatriz-MA. De Imperatriz fui a Carolina, região conhecida pela Chapada das Mesas. Vou deixar aqui como foi que eu fiz, contatos e valores, isso porque o turismo lá ainda está bem bagunçado e é difícil de planejar as coisas.


Vamos aos pontos.


Transfer Aeroporto Belém até o Terminal rodoviário. Foi a noite, não quis pegar ônibus urbano... Belém é bem violenta. Belém tem Uber, mas não! Na região do Aeroporto e da Rodoviária não tem serviço. No restante da cidade sim. Então a opção aqui é taxi mesmo. Reserve de R$40 a R$50 para isso, dependendo do horário, se é pico ou não.


Pegar o ônibus no Terminal de Belém. Eu tinha comprado a passagem com antecedência pela clickBus.com. Fui no guinchê da companhia (Rápido Marajó no meu caso). O rapaz estava todo confuso, parecia que não sabia o que fazer com o Voucher. Deu a desculpa que eu deveria esperar que estava sem sistema; fez algumas ligações e enfim emitiu a minha passagem. O que eu não sabia é que partindo de Belém tem uma taxa de embarque, que no caso de viagem interestadual é R$4,00. Valores das passagens, veja online clickbus e nos sites das companhias que fazem a rota. Agora em maio de 2017 está na faixa de R$90,00.


De Imperatriz a Carolina. Comprei passagem na hora, empresa RJ4000. R$32,00 na ida (com a taxa de embarque da rodoviária de Imperatriz) e R$30,00 na volta, sem taxa em Carolina. Gostei bastante da empresa, pessoas cordiais e ônibus bons.



Carolina, transporte do terminal rodoviário até sua hospedagem. Embora tenha pouquíssimo transito na cidade (asfalto pior que em zona de guerra, muito estragado mesmo), e seja tudo relativamente perto (terminal rodoviário ao centro da cidade, onde deve estar seu hotel, pousada...)... atenção que os taxistas e mototaxistas são espertos, se tiver cara de turista se prepare para a facada! Tente combinar o preço antes de embarcar. Não usam taxímetro lá não. Eu desavisado caí na cilada e paguei R$20 por um trecho de 2.7Km de taxi, estava com malas.


Hospedagem em Carolina. Fiquei na Pousada Igarapé, proprietária é a dona Ester (fone/whats: +55 99 9151-7446). No geral os preços variam de R$60 a R$180 por diária. É caro, não tem hostel na cidade. Quer dizer, até tem, na Igarapé tem um espaço que é um Hostel, fica R$50 por pessoa/dia, mas o hostel é para grupos. Exemplo: você junta 10 pessoas e aluga o espaço, ele não fica aberto sempre, apenas para grupos combinados (o que é bem ruim para quem viaja sozinho como eu). Consegui combinar por R$70 a diária (para uma pessoa, 2 seria R$120 - o quarto era pra casal) na pousada Igarapé. Quarto legal, cama boa com ar condicionado e banheiro privativo, e uma TV. A dona Ester é muito atenciosa e ajuda planejar os passeios, ela tem os contatos de todo mundo na cidade. Uma lavada de roupas (havia umas 12 peças) custou R$10,00, achei bom o preço.


Complexo da Pedra Caída - Saindo do terminal rodoviário, por volta das 8 AM tem ônibus e vans que vão para Imperatriz (e de tardinha por volta das 16h voltam) e que deixam e buscam na Pedra Caída, custo do transporte R$10 + R$10 na volta. Entrada na Pedra Caída é R$50, da acesso ao parque as piscinas etc... tem pousadas lá etc... é o maior complexo turístico do Sul do Maranhão, um dos mais novos do Brasil também, tem 11 anos só. Almoço é caro lá... algo por volta de R$25 (obviamente não pode entrar com sua própria comida e bebidas). Cada passeio dentro do complexo é um valor separado, Cachoeira do Santuário por exemplo estava R$25. Tem os valores no site deles: http://www.pedracaida.com. Super legal tudo, mas bem caro. É coisa pra turista turista, não pra mochileiro que anda com os troquinhos contados. Pode ir de caro próprio fácil fácil até lá, a entrada é do lado da BR.


Encanto Azul e Poço Azul, em Riachão. É longe de Carolina uns 150km no total + 150km pra voltar, consegui por R$100 o transporte ida e volta com guia só porque estava na pensão e a dona Ester que é parceria do Zéca (guia recomendado, super gente fina, falador, parece honesto em seus valores, contato no face)... dei uma chorada, estava com o dinheiro curto e queria muito conhecer o local. É tranquilo ir ao Poço Azul de caro, as estradas são boas. Ao encanto azul não dá... só com 4x4 mesmo, algum veículo off-road. Valores, entrada no Encanto Azul R$20,00, Entrada no Poço Azul R$40,00 essa entrada te da acesso as outras cachoeiras também, Santa Bárbara... etc. Almoço no complexo do Poço Azul funciona assim, em dia que tem pouco movimento é a-la-carte, pratos são pra duas pessoas, não tem porções individuais, custam em média R$60,00. Em dia que tem mais movimento eles abrem o buffet por peso. Não sei valores, o dia que eu estive, estava tudo bem vazio.


Cachoeiras Gêmeas Itapecuru - Perto da cidade, entrada R$20,00. Consegui carona para ir lá e voltar. Mas não é um lugar para passar o dia, é sem graça, no máximo uma tarde.


Bem, este texto é bem focado em valores mesmo, porque é isso que não se encontra em lugar nenhum. Considere que eu fui em baixa temporada, e se ouvia boatos que esses valores tudo seriam reajustados para a alta temporada, começa agora metade de junho.


Em suma: Não é lugar para ir sozinho, em grupo de 4 pelo menos fica tudo mais em conta. Não é lugar para mochileiro quebrado. O turismo lá tem que melhorar muito ainda para possibilitar isso. Eu não voltaria lá como turista, embora de fato seja muito bonito. Pesquise no google imagens, Chapada das Mesas Carolina e você vai ver.

]]>
Thu, 11 May 2017 07:33:00 +0000
Meu Android foi roubado! Dicas de segurança para seu Smartphone http://helton.de/Blog/article/pt/306 Recentemente passei pelo infortúnio de ser vítima de um assalto, entre os itens roubados, meu Android. Eu tinha um aparelho high-end, e não cuidava muito da segurança. Andei pensando. Eis as dicas.


1 - Não tenha um aparelho high-end. Um médio que cumpre o que você precisa é bom!

Você pode fazer tudo o resto, ter certeza que está tudo super seguro, que o ladrão não vai ter nada mais que um peso de porta com o seu aparelho, mas... o sentimento fica da perda material. Tenha um aparelho que você consiga pagar de boa a vista.


2 - Bateria não removível

Essa pode ser controversa, porque você pode querer trocar a bateria. Vai trocar nada, ninguém atualmente fica mais que dois anos com um aparelho. Então é o seguinte. Com a bateria não removível o bandido não vai conseguir 3min depois do assalto (quando você ainda está trêmulo sem ação) abrir, tirar a bateria para não ser rastreado.


3 - Mantenha 3g e GPS sempre ligados

Com a 3g ligada, na pior das hipóteses você pode entrar no Device Manager e implorar por um Factory Reset. Se o GPS estiver ligado e internet também isso pode ajudar a polícia a localizar. Não dê um Factory Reset daí.


4 - Tenha senha/PIN, pattern SEMPRE!

Para mim ocorreu justo num dia que eu havia removido a senha porque usei muito a câmera, por praticidade tirei a senha. Burro! Não faça isso! Nunca! Ah mas a minha namorada quer ver o que tem no celular. Diz a senha para ela horas! Falando em PIN, já ví sempre que liga o device o SIM card pedir o PIN (na Alemanha não tem como não). Logo, se o malandro desligar o aparelho e ligar de novo, não vai conseguir usar o seu SIM. Pesquise mais sobre isso. Sério, tenha um PIN/pattern o que for razoável, se este quesito falhar todos os outros estão drasticamente comprometidos.


5 - Criptografe seu Android

Faz bastante tempo que tem essa opção se você for lá nas diretivas de segurança. Isso vai criptografar TODO seu android, sem a senha ele nem completa o boot. Perdeu a senha não há o que fazer além de um factory reset, e aí tudo bem, seus dados não estarão mais lá.


6 - Não use microSD! Apenas memória interna

O factory reset não limpa o cartão. A criptografia não criptografa o cartão. Se usar microSD deixe APENAS músicas e coisas que você não liga se alguém ver. Nada de BKP de seus SMS, Banco de dados e Whats... Não! Motivo extra é que os microSD costuma deixar seu aparelho lento. A memória que vem de fábrica normalmente é melhor.


7 - Upload para a nuvem

Como você não está usando memória externa, seu Android vai encher! É preciso e é bom ter sempre tudo backupeado e sincronizado na nuvem. Deixe upload automático na Wifi+carregando. Seu backup diário está assegurado. Vai perder no máximo um dia de fotos, conversas, dados... etc.


8 - Tenha o EMEI do aparelho

Uma vez roubado você liga para sua operadora e pede o bloqueio da linha + aparelho. Eles vão bloquear e pondo qualquer SIM Card seu Smartphone não vai funcionar igual para telefonia.


9 - Consciência no que você trafega nas redes sociais/apps de comunicação

Cuidado com dados sensíveis. Não é porque a comunicação é virtual que as coisas não sejam reais. Abre o olho!


10 - Se por algum motivo especial você tiver um Smartphone caro, faça seguro

Então, as vezes você comprou aquele aparelho top que custa dois rins justamente porque o uso que vai fazer requer tal aparelho. Pense bem se não vale a pena por uns mangos em cima e contratar um seguro contra roubo, extravio, acidentes.


Se você seguir todas estas dicas o seu Smartphone é totalmente inútil sem você, seus dados estão seguros e vai perder apenas o aparelho mesmo.


]]>
Wed, 02 Sep 2015 18:04:00 +0000
Alpadia em Freiburgo, Alemanha http://helton.de/Blog/article/pt/305


Buenas, aproveitando antes que as lembranças em mais detalhes de apaguem pela ação do tempo, vou deixar um review da Alpadia, aulas de alemão em Freiburgo, Alemanha. Estive lá e fiz aulas por 3 semanas em Janeiro deste ano, inverno, baixa temporada (embora as turmas estavam bem cheias).


São aulas intensivas, todos os dias. Isso é bom! Você pode pegar pacotes extras, como por exemplo além das aulas regulares 1h por dia com aulas focadas em conversação. Também 1h extra por dia focada em escrita. Como eu tinha pouco tempo, peguei as duas.


Nas aulas normais (pacote padrão) você faz uma prova que te classifica num nível, se não gostou do resultado pode fazer uma entrevista oral no primeiro dia de aula para ser reclassificado (na turma do seu nível). Acompanha-se um livro (Schritte International). O ritmo é bem puxado, faz-se um livro todo em 1 mês e meio normalmente. Dois livros é um nível, exemplo, B1 1, e B1 2. Aí depois vai para o B2 1 ... e assim por diante.


As aulas são completamente em alemão, inclusive nas turmas bem iniciantes. Os professores todos falam também Inglês e Francês. Alguns Espanhol, Italiano, Russo... e o Mathias (diretor)... bom, ele é um caso a parte, nem sei todos os idiomas que ele fala, mas nos exemplos que ele dava quando tinha que justificar uma gramática, vários deles apareciam. Os professores em geral não usam outro idioma para explicar as coisas, só mesmo quando não tem jeito de entender.


Todo dia tem tema de casa, umas 8 atividades que consomem pelo menos 2h pra fazer. Fins de semana tem mais do que durante a semana. Toda semana sexta-feira tem prova com os tópicos vistos nas últimas duas semanas.


Os estudantes são de toda a parte, isso é bem legal. Na minha turma tinha gente de Suíça, Japão, USA, Itália, México, Espanha, França e Ucrânia. Havia nas outras turmas pessoas que fiz amizade do Panamá e Inglaterra e claro uma alemã que era namorada dum espanhol que estava estudando lá.


Cada fim de semana, e as vezes durante a semana, tardinha ou a noite tem alguma atividade na cidade ou redondezas organizada por algum professor da escola. Se encontrar em algum restaurante, bar, ir assistir corrida de cães na neve, visitar cidade X ou Y e assim vai, atividades bem variadas. Se não me engano terças a noite sempre tinha filme na escola (em alemão, legendas em alemão)... não sei muito bem, nunca participei desta atividade.


Aulas extras. Conversão. Aqui o professor/a sempre traz algum tema polêmico para discutir em aula, assuntos diversos, aqueles temas infames que a gente normalmente não precisa falar e portanto normalmente não tem vocabulário para discutir. Lembro de ocasiões sobre racismo, sistema escolar na Alemanha, imigração, esportes. Teve um sobre profissões, aí tinha alguém que era engenheiro civil na turma, trouxe várias expressões desconhecidas, uma guria que era química, outra que era engenheira mecânica ma bosh, eu da TI... enfim. BUM no vocabulário!


Escrita. Estas aulas me foram de muita valia! Assim que um texto estava pronto era dado um outro tema, e aí corrigido o texto anterior (e re-escrito) tantas vezes como fosse necessário até ficar correto gramaticalmente. O tamanho e estilo do texto variava, de tema para tema. Também assuntos bem diversos que te forçavam a buscar vocabulário, a usar diversos tempos e formas gramaticais.


Sobre a cidade. Bom, Freiburgo dispensa comentários! Sensacional! Tudo perto, tudo fácil, seguro, muitos lugares legais para ir, pertinho da Suíça e da França... show mesmo!


Ponto negativo sobre a escola é que é relativamente cara. Se você vai fazer por mais tempo, te prepare financeiramente! Eu botei a mão no bolso porque tinha que valer, eram só três semanas que eu tinha disponíveis. A escola + alojamento custou 3 mil reais (3 semanas).


Há uma opção mais cara na cidade, dizem que é mais puxado, e que aprende mais (mas não é divertido assim) que é o Goethe Institut.


Tem também o instituto de línguas da Uni Freiburg mesmo, mas aí tem uma penca de requisitos para poder participar, tem que ficar de olho nos cronogramas... enfim. É mais para quem planeja ficar meio ano ou mais lá.


]]>
Mon, 29 Jun 2015 01:00:00 +0000
Viagem para Freiburg, Alemanha em janeiro de 2015 http://helton.de/Blog/article/pt/300 Quanto tempo que eu não escrevo nada... acho que estou perdendo o hábito, ainda mais aqui na parte em português do site. Nos outros eu ainda de vez em quando faço algo, para exercitar, me obrigar a aprender vocabulário... enfim.


Mas estou aqui para contar alguns intempérios da minha viagem. A primeira que eu fiz foi ok, nada a ressaltar. Esta porém teve emoção na ida e na volta.


A ida foi de POA para São Paulo, e aí Paris, em Paris troquei de aeroporto, indo do Charles para o Orly de ônibus. Do Orly para Basel na Suiça, e de lá um outro ônibus até Freiburg. Chegando lá, cansado por demais peguei um taxi até o que seria meu novo endereço.


A emoção começou em Paris. Quando cheguei no Charles (CDG), passei a imigração e ia pegar minhas malas. Só que elas não chegaram lá. Aí quando na esteira trocou o vôo, dizendo que as malas que viriam já não eram mais as de SP, fui ver no atendimento da AirFrance como fazer. Ok, formulário, contato, endereço no Brasil, na Alemanha... e segue o baile. Considere que esse incidente me fez perder pelo menos 50min no segundo maior aeroporto de Europa. Estava com medo de não conseguir chegar no outro Aeroporto a tempo, mas deu... achei a saída, avistei o bus do transfer e corri. De ônibus foi uns 40minutos, acho então que o Orly é pelo menos 35km distante do CDG.


O motorista falou em francês comigo, eu não entendi, aí ele trocou para um inglês bem mal falado, explicou que o valor da passagem era diferente conforme minha idade. Enfim. No Orly fiz check-in e despachei Zero bagagens. Eu estava na finaleira antes de chegar, mas com a roupa do corpo que não era ok para o Frio da Alemanha, e na mochila meu notebook, carregadores e tal. Preocupado... mas segui, não tinha o que melhor fazer naquelas alturas. Cheguei em Basel na Suiça. Um friozão danado, eu estava batendo os dentes esperando na frete do aeroporto o bus até Freiburg.


Finalmente chegou. Em alemão pedi ao motorista se era mesmo este ônibus... ele respondeu em alemão, mas em Allemanisch, um dialeto da região que sério que eu entendi quase nada, pedi que ele repetisse, aí sim fez sentido. Ok! No bus estava bem, confortável embora la fora estava uma tempestade, chuva e chuva! Alguns Quilômetros a frete um sol lindo, e mais a frente neve! Uma hora de viagem e chegamos a Freiburg, na ZOB (estação rodoviária) que é no lado da estação ferroviária.


Avistei um taxi e fiz sinal que eu precisaria. Falamos em alemão...sem stress. Quase chegando ao endereço ele perguntou de onde eu era. Brasil, vou ficar aqui 3 semanas estudando. Era para ver a cara de "não acredito uma palavra que você diz" quando ele se deu conta que não tinha mala nenhuma. Mas não houve tempo e nem vontade de minha parte de explicar.


Cheguei na casa, 40 min depois do esperado. Obviamente não tinha mais ninguém me esperando, e eu sem as chaves, meu celular cagado não abria o skype para eu ligar para o Nro. do contato lá... Bati várias campainhas, até que ela veio. A Wendy, como uma doce anja, me levou até numa loja que estava aberta (afinal era um domingo a tarde) e comprei lá um SIM de uma telefônica alemã... botei crédito, 3gb de internet por mês... enfim. Liguei para o Nro., que ligou para o "Mister Preciosso", o italiano dono do apartamento que eu ia ficar. Aí na volta ao endereço ele estava lá me esperando. Ufa!!! Já tinha onde morar.


Bom, cheguei no domingo, minhas malas foram localizadas na quarta (cagada de TAM em SP), enviaram acho que quarta ainda, eu teria recebido sexta se eu tivesse em casa para assinar. Fiz o procedimento autorizando a entrega sem assinatura, e aí na segunda fizeram nova tentativa. Quando cheguei da aula, estava em casa minhas malas. Ufaa! A primeira semana foi tensa... gastei muita coisa que estava imprevista, pois eu contava que estaria com minhas coisas.


As aulas, as viagens, estadia tudo show! Emoção mesmo no retorno. Pra variar!


O retorno seria Freibrug para Basel de ônibus, Basel para Amsterdam, de lá para Rio e Janeiro, RJ para Porto Alegre. Chegaria as 00:30. Meu plano era dormir no aeroporto mesmo e cedinho as 5am pegar o trem até Novo Hamburgo. Só que não foi bem isso que aconteceu.


Saí do Black Forest Hostel em Freiburg as 3am, tinha acordado as 2:30... Taxi do hostel até a ZOB, e de lá bus até Basel. Ônibus exclusivo, estava só eu e o motorista, as 3:30 da manhã indo para Basel. Cheguei, aeroporto deserto... com bastante tempo e calma fiz check-in, despachei as malas. Show! Na sala de espera para embarque, toquei o SIM do celular, voltei o meu Vivo que uso no Brasil e assim que pegou o roaming chegou SMS da KLM: Lamentamos mas o seu vôo de AMS para GRU vai sair as 12:32 e não mais as 10:40. Tenso! Porque eu sabia que o tempo no RJ seria curto para pegar o último vôo da Gol do RJ para POA.


Eu disse curto, mas na verdade os 32min disponíveis com o atraso de 1:55h eram impossíveis. Ok, mudou também o gate de embarque em AMS, mas enfim voamos. Uma mulher passou mal logo no início do vôo. O piloto acelerou, o normal para aquele avião é voar a 850km/h, mas enquanto estávamos por cima da Europa ainda, estávamos colados em 1000km/h a maioria do tempo. Isso fez a previsão de chegada diminuir. Enfim era possível ainda, mesmo que na correria fazer o processo todo no RJ.


Mais alguém passou mal. estávamos todos estressados, pensando e angustiados como fazer no RJ, todos aqueles que o RJ não seria o destino final. Ao chegar sobre o oceano a velocidade foi reduzida, e com isso a previsão de chegada aumentou, assim como o stress. A 2h de chegar no RJ mais um homem passou mal.


Ao chegar no RJ estava com tempestade na região do aeroporto, o piloto anunciou que iria ficar sobrevoando uma área a 150km do aeroporto por mais 20min antes de aterrizar. Fodeu tudo!! Enfim aterrizamos. Foi anunciado que o aeroporto estava informado e que nos facilitariam o processo todo, e que as conexões iriam esperar. Foi um alívio. Mas ao desembarcar demoramos pra caramba, porque antes veio uma equipe médica para dar atenção aos que passaram mal (3 pessoas).


De fato no aeroporto do Rio foi tudo munto fácil e rápido, funcionários estavam por toda parte indicando "vôo KLM de Amsterdam, por aqui". Na imigração todo mundo passou reto, ninguém foi fiscalizado, muito rápido mesmo. As 22:10 estava eu para despachar as bagagens da Gol (que esperaria) no voo das 22:12. Só que não esperou. Check-in, despacho estavam fechados e a Gol decolou pontualmente pra POA as 22:12, sem ninguém vindo de AMS, pelo menos uns 15 passageiros.


A sequencia foi boa, porque a KLM pagou hotel, janta e café da manhã (hotel no aeroporto mesmo, muito prático). Se tivesse dado certo eu dormiria no chão no aeroporto de POA. Assim pude jantar bem tranquilo, comer um bife caprichado, dormir por 5:30h num hotel Top!


No outro dia, o vôo do RJ para POA foi tela TAM, as 8:20 da manhã. Sem qualquer problema. Enfim Porto Alegre! Ao meio dia estava em casa em Novo Hamburgo. Para chegar em casa mesmo, demorou 5h mais que o previsto.


Muitas emoções. É bom estar em casa de novo. Mas não por muito tempo!


]]>
Thu, 05 Feb 2015 18:20:00 +0000
Mudando o ambiente de TI quase todo para Linux. Notas de quase 10 meses após iniciar o processo http://helton.de/Blog/article/pt/291 Lembro de quando cheguei para o primeiro dia de trabalho na empresa. O chefe com uma cara bem troll dize "tem um presente aqui para tí já". Quando liguei o PC vi o Kubuntu carregando. Eu era o cobaia. Mas a escolha foi certa, eu de fato prefiro Linux a qualquer outro SO para trabalhar. Simplesmente consigo fazer mais.


O que eu não sabia era Java. Quer dizer, tinha tido apenas o problemas fáceis da faculdade em Java, nada de "mundo real, problemas reais" como os que você tem que resolver quando está trabalhando. E foi assim, pelo menos umas 2 semanas até estabilizar o sistema, pegar o jeito de como fazer as coisas, que configurações fazer, como rodar diversas versões do Java para poder testar os cenários dos clientes... 


Não tinha passado nem um mês já havia outros 3 colegas com as máquinas formatadas e rodando Ubuntu 12.04 na época. Eu também já tinha me cansado do KDE e havia posto minha distro preferida dos últimos 3 anos pelo menos: Elementary OS. Um dia desses precisei do TeamViewer. E pronto, cagou tudo. No outro dia não teve solução melhor a formatar.


Alguns colegas também tiveram problemas, principalmente os que usaram o Ubuntu 13.x ... pau direto. Um se aventurou no Fedora 20, outro instalou o Open Suse e continua com ele.... evangeliza ele que não tem melhor. Mas no geral mesmo todos ficaram com o Ubuntu 14.x, eu com Elementary e o colega aí com Open Suse.


As coisas agora estão bem estáveis, o pessoal já sabe como usar, dominam o básico e um pouco mais dos comandos do shell, são usuário que sabem usar o sistema. O SO não é mais problema, a produtividade voltou aos patamares esperados e está indo bem.


Ocorrem de vez em quando problemas quando consultores por exemplo mandam algum documento em docx ou outro formato despadrão, aí o LibreOffice não mostra direito as anotações, setinhas e tal. Mas sempre da para upar no MS Office 360 online e lá se exporta num PDF e está morta a cobra.


Eu tenho que dizer que estou feliz com a situação, quero dizer... a anos quero meu time 100% working with Linux, mas no meu -2 empregos atrás, consegui 2 colegas só. No meu emprego agora -1, fui eu só o tempo todo... embora tivesse outros interessados, o atropelo do dia a dia sem o apoio da chefia nunca deu a oportunidade de poder cai um pouco a produtividade, aprender e retomar a 100%. Na empresa atual esta chance e o desejo houve, só precisavam que um carinha que se sentisse mais confortável com Linux chegasse lá pedindo emprego, precisavam de uma segurança, uma escorra se tudo começasse a desabar.


Bom, nada desabou. Sim, no início eu andava bastante pela empresa ajudando os colegas, falando conceitualmente do problema, e como em Linux dava para resolver aquilo... ajudando a instalar programas, configurar, ressuscitar o ambiente gráfico numas atualizações quebradas do OpenGL ... Mas agora está beleza. Eles nem precisam mais de mim.


Que bom que eu aprendi um pouco de Java, e agora sou útil como programador mesmo, não só como um cobaia para um piloto que vai economizou um punhado em licenças de Windows e antivírus.


That is all folks. Join us now and share the software, You will be free hacker, you will be free.


]]>
Sat, 27 Sep 2014 20:48:00 +0000
Java: Eclipse no Linux, dicas de tela, documentação com fundo escuro/preto ilegível http://helton.de/Blog/article/pt/283
A dica para resolver o problema: Instalar o gnome-color-chooser (site oficial), e nas opções "Specific" ou "extras" (depende a tradução...), marcar/trocar as corres do tooltop. Finalize a interface gráfica (fazendo logoff por exemplo), entre novamente, e no Eclipse, e vai estar lá, legível.



Happy codding!
]]>
Sun, 02 Mar 2014 17:26:00 +0000
Música: Lindo Toque - Graveola E O Lixo Polifônico http://helton.de/Blog/article/pt/282


Tente contar dez motivos pra não envelhecer
Tente imaginar todo estilo que viria crescer
Tente - não dá - tudo aquilo pode deixar de ser

Pense bem amigo, esse limite pode nem existir
Saiba que também correr perigo às vezes pode convir
Chame seus colegas pra fazer algo que pode surgir

Tente conceber a poesia num pedaço de pão
Faça das idéias um momento de improvisar o som
( o ovo)
Você pode juntar generosidade e percepção

Vamos percorrer um corredor e dominá-lo de cor
Arriscar, arriscar e sem pudor
Pois o afinal de compor é virar bolor

Sinto o peso dos seus versos, meu amor
Melodia tão precária, mas enfim
Vale a pena porque vais até o fim

"muita coisa é inata, mas muito é feito pelo treinamento. por isso ninguém será bem-sucedido se se poupar, se não mergulhar fundo nos temas maiores e se não estiver em condições de se empenhar até o extremo por causas insignificantes"

Sinto o cheiro do seu verso, meu amor
Poesia tão precária, mas enfim
Vale a pena porque vais até o fim.

]]>
Sun, 23 Feb 2014 21:36:41 +0000
Consequências de viajar a noite toda e chegar 06:15 em casa, dormir das 06:30 até as 6:45, e ir para o trabalho http://helton.de/Blog/article/pt/238

Vejamos:


- Babei café na mesa, ao tomar "caiu fora" da boca, faltou coordenação para a tarefa;
- Já era 9 da manhã quando percebi que o fecho da calça estava aberto;
- Várias vezes dormi o dedo sobre alguma tecla e encheu a linha do mesmo caractere (sou programador);
- Trabalhando em dois arquivos: O que estou fazendo em qual meso?
- Começa a escrever o teu código no arquivo que estava usando como exemplo para a nova implementação;
- Da ctrl+c em um trecho e quando vai colar não sabe se copiou, muito menos o que copiou;
- O volume da música incomoda, o mais baixo possível irrita que é muito alto;
- Joga água na cara 2x durante a manhã e não muda nada;

]]>
Mon, 13 Jan 2014 12:07:00 +0000
Como não ver o esforço com bons olhos? http://helton.de/Blog/article/pt/228 Ocorre de vez em quando, se você é meio inciante em algo complicado, que alguém te elogia e diz algo como "nossa! Você está indo bem!". Você sabe que é só um iniciante e que na real aquilo num contexto prático tem ainda muito pouco valor.

Mas aí eu convido. Assista aqui esse americano cantando em Português com sotaque de Portugal uma música típica brasileira.



E aí? O cara é bom? E você Brasileiro/Português nativo entendeu tudo? Não mesmo! Nem se já conhecesse a música. Mas agora me explica porque da admiração.

O esforço de tentar.

Nós sabemos o quão complicado nosso idioma, nossa música é. Sabemos que nós marmanjos cometemos erros grosseiros por vezes. Tchê! As pessoas se sentem prestigiadas quando você mostra interesse em algo que elas são experts. E as pessoas são boas por natureza, querem ajudar.

]]>
Sun, 24 Nov 2013 01:28:00 +0000
ROI, planos e a incertza típica dos humanos - Segundo semestre de 2013 http://helton.de/Blog/article/pt/53 ROI - Return of Investment: Em quanto tempo se paga o que você investe. Me veio à mente hoje o quanto isso duraria para o que estou fazendo.

Estou ainda morando em Novo Hamburgo, RS, Brasil. Continuo trabalhando na WT Prime, meu salário já foi aumentado uma vez, e isso possibilitou sair das 1h semanais de Alemão na IENH no primeiro semestre para o que se inicia agora para valer, na segunda-feira que segue o dia de hoje.

- Segundas a noite, Inglês no Yázigi
- Terças as noite, Espanhol no Yázigi
- Quartas a noite, Alemão na IENH
- Quintas a tardinha, Alemão no Yázigi
- Sábados pela manhã, Inglês na Wizard

Parece loucura não, mas por esporte é só o Espanhol aí no meio, os demais tenho necessidade quase diária. E alemão, é caso sério. Desde meu intercâmbio em 2012, tenho vontade real de ir morar lá, não sei se pelo resto da vida, mas por 4 anos com certeza quero provar.

Falando nisso, não tenho nada certo ainda para 2014, há algumas coisas no caminho, algumas dificuldades a passar por cima. A primeira é o dinheiro... para isso ser seguro, tenho que ter para a passagem de ida, volta, ficar 90 dias lá e mais dinheiro para aguentar por aqui pelo menos 2 meses sem trabalho, algo como R$ 10K. Os meus planos de guardar/economizar esse ano não estão funcionando, estamos em agosto, meu plano a essa altura era ter já em torno de R$ 4k, mas estou no zero ainda.

Tem coisas ocorrendo aqui, em setembro deve haver novamente a prova da POSCOMP, se eu fizer algo como 25 pontos, vou tentar mestrado na PUCRS em 2014, aí se conseguir alguma bolsa eu fico, se não... não terei como pagar, isso vai ser já Abril de 2014.

As vezes temo ser um tolo, vejo meus amigos do ensino médio, técnico, faculdade com a vida já bem resolvida, e eu tentando estabilizar as coisas para iniciar a resolver... tipo por baixo 8 anos defasado.

Mas voltando ao ROI, uma vez dando certo meus planos de União Europeia, tenho certeza que cada minuto investido terá valido o esforço. Mas se não... é um desperdício absurdo o que estou fazendo da minha vida.

Por hora, o melhor que posso fazer é ser firme quanto ao meus planos e não deixar o overplan ser um problema de não se traduzir em ações. Este segundo semestre será pesado, não tenho dúvida disso. Também não tenho dúvida que serei exitoso, e tento me ver como será depois. O sorriso brota no rosto, não tem jeito de conter.

Como meu amigo Júlio César antes das batalhas já dizia: "Alea jacta est".

]]>
Sun, 04 Aug 2013 15:07:55 +0000
Este é o antigo Live Helton http://helton.de/Blog/article/pt/2
Então, português é minha língua mãe, eu não tenho tanto a aprender quanto nos demais idiomas, assim este blog não discute aprendizado do idioma, e sim tópicos randômicos de interesse do dia a dia. Tecnologia, desenvolvimento, um pouco de reflexão crítica, enfim, uma bagunça bem como nossa mente é.]]>
Sun, 21 Jul 2013 21:23:07 +0000
FISL 14 - "We have to produce shit to be able to survive" (Tobias Andersson) http://helton.de/Blog/article/pt/69 "A 14 anos, o Fórum Internacional Software Livre (FISL) aposta na colaboração e no compartilhamento do conhecimento como um caminho para a construção de uma sociedade mais justa" (Editorial, FISL 14).



Conversando com alguns amigos, vendo as palestras é evidente o quanto é fácil em um ano ou dois se distanciar do que está havendo no mundo. Meus últimos dois anos foi bem isso "baixar a cabeça e produzir, o resto não importa". Em um ano, dois, muita coisa muda, muitas tecnologias já foram superadas e outras aparecerem, já são padrão de mercado e você nem sabia que existiam.

Fora as coisas práticas, este FISL foi muito significativo em alguns pontos que merecem reflexão:

No painel de discussões, logo no primeiro dia do FISL, um dos fundadores do TPB, o Sueco Tobias Andersson disse: "We have to produce shit to be able to survive", quando no momento se discutia o quanto não é mais importante a qualidade, a durabilidade dos bens de consumo. As pessoas ganham pago para fazer coisas que não agregam a sociedade, e devem se sentir felizes com isso através de um salário sujo ao fim do mês.

Outro ponto central deste FISL foi Aaron Swartz, criador do padrão RSS (ainda quando criança), ativista político na área do direito ao acesso a informação. A palestra de Seth Schoen em especial foi emocionante. É raro ver um americano se esforçando para falar português, quando a maioria da plateia de sua palestra era perfeitamente capaz de entender em Inglês. Eis lições a não serem esquecidas em nosso dia a dia. Há muito o que fazer, precisa-se de pessoas esforçadas em todas as áreas.

Quantos outros já falaram, mas a gente vê quando experiencia. Exemplos disso para mim foram as palestras do Andreas Tille e do Italo Vignoli, o primeiro com o forte acento germânico e o segundo italiano em sua pronúncia, ambos porém perfeitamente compreensíveis; e ao fim é isso que importa, o valor das coisas é o valor das coisas e não o som mais ou menos perfeito quando elas são expressadas.

Falando em expressão, vi pessoalmente pela primeira vez na vida falantes de Esperanto. Uma das pessoas mais ativas nas comunidades, é gaúcho! Professor de letras aposentado da UFRGS. Baita motivação para seguir adiante!



Aspectos práticos:

- Sementes livres, monopólio da propriedade intelectual de coisas que não foram criadas. Esdudar mais sobre o projeto.
- Livro coptfight, ver projeto de tradução, ler livro.
- Framework para desenvolvimento de jogos para HTML5, MelonJS.
- Aprender Bootsrap com Less. Globo.com usa, não só eles, é padrão de mercado.
- Se eu quiser continuar na área de web, tenho que sair do iniciante e avançar em Django, WebPy e Ruby on Rails.
- Banco de dados não relacional, mais recomendado: MongoDB.
- Nova visão, padrão de desenvolvimento Web: AngularJS, Node.js, Express com banco Mongo.
- Estudar características do HTML 5, WebSockets, WebRTC, WebStorange;
- Da para empacotar em um .phar um projeto PHP todo, e entregar para o cliente como um .jar por exemplo.
- Em PHP, estudar Namespaces, Traits, composer e PSR`s.
- PHP Frameworks fortes no mercado: ZF2, Symfony, Laravel. Code Igniter caindo fora da jogada (Laravel passou por cima). Microframeworks em destaque: Silex, Slim e Respect.
-  Voltar a estudar C e C++, mais cedo ou mais tarde vou precisar mesmo disso. É a base da computação, precisa saber.

Para quem não pode estar no FISL, algumas palestras tem a gravação no site do FISL, no link "gravação".

]]>
Sun, 07 Jul 2013 14:26:00 +0000
Como a internet afeta a minha vida http://helton.de/Blog/article/pt/70
O Google Reader nos trouxe a possibilidade de ter o conteúdo da internet, não a forma, as figurinhas, os advertisement dos infernos. O texto, a ideia. Isso é bom, eu sinto muita falta da internet com conteúdo.

Entre meio a tantas tralhas, há coisas magníficas! Não sei quantas vezes fiquei a madrugada, a tarde de sábado, domingo toda, horas e horas lendo sobre coisas interessantíssimas na Wikipedia, é incrível! Se você pegar um tópico de interesse, uma coisa leva a outra e quando você vê tem uma fila de mais de 20 abas abertas para leitura. Conhecimento é empolgante.

Enfim, com o Reader fechando as portas, há produtos com grande potencial, eu tenho boas expectativas da solução que o Digg vai apresentar daqui a algumas semanas. As ideias dos caras são fantásticas! São claras, eles entendem a internet e o perfil de quem usa um leitor de RSS.

E os blogs são fundamentais nessa questão do RSS. A gente segue blogs por anos... de pessoas que gostamos, e cada post é importante, porque é pessoal. Há os que não fazemos a mínima ideia de quem sejam, só sabemos que estas pessoas escrevem conteúdo que nos interessa, são desconhecidos alinhados aos nossos interesses pessoais. Numa dessas li sobre um site que já viciei, o http://lyricstraining.com, no mesmo me vi numa situação muito igual a da autora.

Ela é australiana, vive na Alemanha a anos... não sei a quanto tempo sigo o blog, 4 anos pelo menos, mas nunca me veio a curiosidade de saber quem o escrevia. Apenas tinha conteúdo bom. Na verdade nunca tinha nem mesmo julgado o significado das palavras na URL. O conteúdo é rei. O fato é: No texto a autora relatava a sua estagnação e insatisfação com a evolução do aprendizado do Alemão, e também que sentia-se mal por ter abandonado o Francês.

Ela (que não é nada poliglota) participou de um encontro dos caras do "The polyglot project", pessoas fantásticas! Falam 20 idiomas com fluência invejável, e o melhor, compartilham seu conhecimento. Eu já assisti muitas horas de youtube deles falando sobre Inglês, Alemão, Espanhol, Romeno, Francês... técnicas que eles usam para aprender... são pessoas com uma formação humilhante... eles explicam como o cérebro trabalha quando aprendemos. Como diria um ex professor de filosofia, ouvi-los é quase um "orgasmo intelectual".

Então, a autora do outro blog ao falar com os caras, depois da palestra foi recomendada a trazer mais diversão às suas horas de aprendizado. Principalmente se você não está em risco por não saber alguma coisa (como é o caso de um Brasileiro aprendendo Alemão, Inglês e Espanhol), permanecer motivado para o estudo não é fácil. E aí a gente faz as malandragens de sempre, organiza a agenda de uma maneira que se você a cumprir, pobre Einstein... depois de ti vai ser o bobo da corte. Mas a gente não cumpre. Porque o não cumprir não representa riscos imediatos ou que você não se sinta capaz de superar quando ocorrem, e porque cumprir é trabalhoso e representa ganhos não imediatos.

Sim, não cumprir representa ver oportunidades ótimas cintilando as seus olhos, mas você sabendo não ser suficiente para elas.

A abordagem tem que mudar, você tem que ganhar alguma coisa na hora após o esforço. Trabalho e recompensa. Simples assim. O legal é que a recompensa pode ser diversão.

Você vê alguém reclamar que voltou da festa as 4 da manhã? Não né. Mas e se tivesse voltando do trabalho as 4 da manhã? Reclamaria?

Pimba!

Após pensar um pouco, refleti e vou grudar! Estou empolgado! E não tenho dúvidas que isso vai me ajudar um monte!! Está em pauta (não em planos) para agora começar aprender Esperanto!


Eu já conhecia a ideia, a filosofia por trás disso a alguns anos, mas não havia começado nada. Agora com a internet, é possível. O idioma que quase morreu, graças a Internet está vivíssimo!

Eis meus delírios de uma noite de verão (não aqui) em algum lugar.

Você viu? Uma situação particular de uma desconhecida, uma vez que relatada, muda/afeta/influencia a vida, o pensamento, as metas, a visão de um outro alguém em algum lugar.

A sociedade em rede.

Durma pensando nisso! Eu duvido que consiga!

]]>
Sun, 02 Jun 2013 14:27:00 +0000
A incrível capacidade de se auto-sabotar http://helton.de/Blog/article/pt/73
Quando eu tenho planos grandes, que exigem algum esforço maior, mesmo que sejam alcançáveis parece que tem um segundo elemento dizendo "não faz, se você não se preparar, não pode se culpar por não conseguir". What the hell!!!

Pelas barbas do profeta! Tem umas metas que estão 3 anos vencidas e não levantam voo!

O pior é que mesmo não se preparando direito, eventualmente algumas delas se concretizam, mas aí você é um João bobo... boiando na situação em vez de estar tirando o proveito máximo.

Talvez seja síndrome... a gente tem expectativas altas, que sub-conscientemente se acha não serem possíveis enquanto o racional, consciente soma A e B e não vê grandes problemas em matar a charada... aí fica nessa.

É, pensar não é fácil, a gente percebe coisas que não quer. Tudo tem seu preço.
]]>
Mon, 22 Apr 2013 14:31:00 +0000