Como a internet afeta a minha vida

Estamos a menos de um mês da saída de cena de um grande produto. O Google Reader. Isso é bom e ruim ao mesmo tempo.

O Google Reader nos trouxe a possibilidade de ter o conteúdo da internet, não a forma, as figurinhas, os advertisement dos infernos. O texto, a ideia. Isso é bom, eu sinto muita falta da internet com conteúdo.

Entre meio a tantas tralhas, há coisas magníficas! Não sei quantas vezes fiquei a madrugada, a tarde de sábado, domingo toda, horas e horas lendo sobre coisas interessantíssimas na Wikipedia, é incrível! Se você pegar um tópico de interesse, uma coisa leva a outra e quando você vê tem uma fila de mais de 20 abas abertas para leitura. Conhecimento é empolgante.

Enfim, com o Reader fechando as portas, há produtos com grande potencial, eu tenho boas expectativas da solução que o Digg vai apresentar daqui a algumas semanas. As ideias dos caras são fantásticas! São claras, eles entendem a internet e o perfil de quem usa um leitor de RSS.

E os blogs são fundamentais nessa questão do RSS. A gente segue blogs por anos... de pessoas que gostamos, e cada post é importante, porque é pessoal. Há os que não fazemos a mínima ideia de quem sejam, só sabemos que estas pessoas escrevem conteúdo que nos interessa, são desconhecidos alinhados aos nossos interesses pessoais. Numa dessas li sobre um site que já viciei, o http://lyricstraining.com, no mesmo me vi numa situação muito igual a da autora.

Ela é australiana, vive na Alemanha a anos... não sei a quanto tempo sigo o blog, 4 anos pelo menos, mas nunca me veio a curiosidade de saber quem o escrevia. Apenas tinha conteúdo bom. Na verdade nunca tinha nem mesmo julgado o significado das palavras na URL. O conteúdo é rei. O fato é: No texto a autora relatava a sua estagnação e insatisfação com a evolução do aprendizado do Alemão, e também que sentia-se mal por ter abandonado o Francês.

Ela (que não é nada poliglota) participou de um encontro dos caras do "The polyglot project", pessoas fantásticas! Falam 20 idiomas com fluência invejável, e o melhor, compartilham seu conhecimento. Eu já assisti muitas horas de youtube deles falando sobre Inglês, Alemão, Espanhol, Romeno, Francês... técnicas que eles usam para aprender... são pessoas com uma formação humilhante... eles explicam como o cérebro trabalha quando aprendemos. Como diria um ex professor de filosofia, ouvi-los é quase um "orgasmo intelectual".

Então, a autora do outro blog ao falar com os caras, depois da palestra foi recomendada a trazer mais diversão às suas horas de aprendizado. Principalmente se você não está em risco por não saber alguma coisa (como é o caso de um Brasileiro aprendendo Alemão, Inglês e Espanhol), permanecer motivado para o estudo não é fácil. E aí a gente faz as malandragens de sempre, organiza a agenda de uma maneira que se você a cumprir, pobre Einstein... depois de ti vai ser o bobo da corte. Mas a gente não cumpre. Porque o não cumprir não representa riscos imediatos ou que você não se sinta capaz de superar quando ocorrem, e porque cumprir é trabalhoso e representa ganhos não imediatos.

Sim, não cumprir representa ver oportunidades ótimas cintilando as seus olhos, mas você sabendo não ser suficiente para elas.

A abordagem tem que mudar, você tem que ganhar alguma coisa na hora após o esforço. Trabalho e recompensa. Simples assim. O legal é que a recompensa pode ser diversão.

Você vê alguém reclamar que voltou da festa as 4 da manhã? Não né. Mas e se tivesse voltando do trabalho as 4 da manhã? Reclamaria?

Pimba!

Após pensar um pouco, refleti e vou grudar! Estou empolgado! E não tenho dúvidas que isso vai me ajudar um monte!! Está em pauta (não em planos) para agora começar aprender Esperanto!


Eu já conhecia a ideia, a filosofia por trás disso a alguns anos, mas não havia começado nada. Agora com a internet, é possível. O idioma que quase morreu, graças a Internet está vivíssimo!

Eis meus delírios de uma noite de verão (não aqui) em algum lugar.

Você viu? Uma situação particular de uma desconhecida, uma vez que relatada, muda/afeta/influencia a vida, o pensamento, as metas, a visão de um outro alguém em algum lugar.

A sociedade em rede.

Durma pensando nisso! Eu duvido que consiga!


2013-06-02 14:27:00
Este é o antigo Live Helton

Então, português é minha língua mãe, eu não tenho tanto a aprender quanto nos demais idiomas, assim este blog não discute aprendizado do idioma, e sim tópicos randômicos de interesse do dia a dia. Tecnologia, desenvolvimento, um pouco de reflexão crítica, enfim, uma bagunça bem como nossa mente é.
RSS Feed
"A vida é curta demais para ser pequena / The live is so short to be small / Das leben zu kurz sind für kleine sein". (Benjamin Disraeli)