Viagem ao Uruguay - Aspectos Linguísticos

O idioma oficial do Uruguay é o espanhol (castelhano), bem parecido com o português, dependendo da velocidade com que as pessoas falam da para entender bem. Português também é disciplina obrigatória nas escolas por lá, dessa forma, o pessoal em geral não tem problemas de comunicação com brasileiros e vice-versa. Bem, há claro exceções.

Embora os idiomas sejam muito semelhantes, vi muito turista brasileiro conversando com o pessoal de lá em inglês, diziam ser mais confortável. Eu não quis acreditar, até a noite em Montevideo que fui num McDonald tomar um sorvete. Pedi a atendente que queria um “sorvete”, ela não entendeu, pediu que eu repetisse... demorou um pouco e aí eu falei “I want a ice cream please”, aí ela entendeu, apontou para a máquina e quando me entregou disse “helado”, “heladeria” (sorvete, sorveteria – respectivamente).

Sobre o inglês, fora os brasileiros que não queriam falar portunhol, tinha claro pessoas de outros lugares, e esses sim falavam entre sí e com o pessoal do Uruguay em inglês. Exceto um grupo de orientais (japoneses ou chineses) que falavam entre sí em sei lá qual idioma (Mandarin, Japonês...). A propósito, especialmente nos cassinos havia muitos orientais.

Também vi duas moças caminhando rápido e conversando em alemão entre sí. Não lembro mais o que diziam, mas lembro que pensei um segundo e compreendi o que falavam. Depois disso eu e o Élvio ficamos tempo conversando em alemão pelas ruas, só para ver se acontecia algo diferente. O Tiago cumprimentou alguém na rua em polonês.

Sobre alemão, num dado momento, em uma churrascaria, o garçom estava servindo uma bebida (aperitivo), uma mistura de champanhe e vinho branco. Quando ele me ofereceu eu disse: “Nein, ich trinke nicht, Danke!”. E ele entendeu, na hora!

O surpreendente mesmo foi no Chuí, na segunda-feira de tardinho, duas mulheres usando burca, conversavam entre sí e davam risada, e eu acenei e disse “Merhaba”, e responderam, alguma coisa que não entendi. Mais tarde o motorista do ônibus me advertiu que “com esse pessoal turco não da para brincar”. Chutei e acertei, estavam falando turco (sei umas palavrinhas – como merhaba = oi).

No geral, não houve nenhum impecílio para comunicação. Tudo transcorreu muito mais tranquilamente do eu que eu pensava que seria.


2010-11-07 17:01:00
Este é o antigo Live Helton

Então, português é minha língua mãe, eu não tenho tanto a aprender quanto nos demais idiomas, assim este blog não discute aprendizado do idioma, e sim tópicos randômicos de interesse do dia a dia. Tecnologia, desenvolvimento, um pouco de reflexão crítica, enfim, uma bagunça bem como nossa mente é.
RSS Feed
"A vida é curta demais para ser pequena / The live is so short to be small / Das leben zu kurz sind für kleine sein". (Benjamin Disraeli)