Livro: O Restaurante do fim do Universo | Douglas Adams

Tinha já lido "O gua do mochileiro das galáxias", e decidi seguir pela triologia de Douglas Adams. Concluí "O restaurante do fim do universo" no feriado de Natal (2010).

Aliás, não postei nada por aqui sobre o primeiro livro, e é um tanto difícil de entender sem saber nada sobre o primeiro.

Douglas Adams é um Einstein da ficção científica, para mim ele está ma mesma categoria de Isaac Asimov, ele é muito esperto, através de seus personagens e ações "toscas" exprime sua concepção política e social do mundo.

Os dois livros tratam de um grupo que passa a vagar pelo espaço. Neste segundo em especial, o ápice é o vórtice da perspectiva total, ao qual Zaphod Beeblebrox é submetido durante sua tentativa de encontrar "o homem que comanda o universo".

Zaphod Beeblebrox é o governador da Galáxia, mas no primeiro livro, na sua cerimônia de posse, roubou uma nave espacial e fugiu, agora ele é procurado por toda a galáxia. Mas não é qualquer nave, é a única nave dotada de um motor de improbabilidade infinita.

Zaphod Beeblebrox sabe, mas escondeu dentro de sua mente uma informação que ele descobriu mas que ele julgou muito perigosa ele saber, por isso escondeu de sí mesmo, e agora está na busca de tentar recordar o que sabe.

Para verem do que estou falando, segue o início do livro.

Há uma teoria que diz que se um dia alguém descobrir exatamente qual é o propósito do Universo e por que ele está aqui, ele desaparecerá instantaneamente e será substituído por algo ainda mais bizarro e inexplicável.

Há uma outra teoria que diz que isso já aconteceu.

É um nível não? Um salve para o mestre: Douglas Adams!
2011-01-03 16:13:00
Este é o antigo Live Helton

Então, português é minha língua mãe, eu não tenho tanto a aprender quanto nos demais idiomas, assim este blog não discute aprendizado do idioma, e sim tópicos randômicos de interesse do dia a dia. Tecnologia, desenvolvimento, um pouco de reflexão crítica, enfim, uma bagunça bem como nossa mente é.
RSS Feed
"A vida é curta demais para ser pequena / The live is so short to be small / Das leben zu kurz sind für kleine sein". (Benjamin Disraeli)